DOAÇÃO DE
ORGÃOS

Doar órgãos é um ato de amor e solidariedade!

Mostrando sua preocupação com a vida, o Hospital Universitário São Francisco de Paula (HUSFP) conta com a Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT). Regulamentada pela Portaria nº 905 de 16 de agosto de 2000, consiste em uma equipe multidisciplinar responsável por todas as etapas do protocolo de diagnóstico de morte encefálica, manutenção do potencial doador, entrevista familiar, organização da cirurgia de retirada de órgãos, bem como apoio aos familiares nesse momento de extrema dor.

Atualmente, a CIHDOTT do HUSFP realiza um trabalho contínuo, focado e permanente, fornecendo orientações para a comunidade acadêmica e população em geral sobre assuntos relacionados à temática da doação de órgãos, visto que, no Brasil, de acordo com a legislação atual, é a família quem decide e autoriza a doação. Por isso, a importância de conversar sobre o assunto e comunicar o desejo de ser doador.

Um único doador pode salvar até oito vidas através da doação de córneas, rins, fígado, pulmões e coração. Esse dado justifica todos os esforços para esclarecer como funciona o processo de doação de órgãos e aumentar o número de doadores, assim, diminuindo a angústia e incerteza de quem vive na lista de espera para receber um órgão.

Para obter mais informações ou esclarecer qualquer dúvida sobre a doação de órgãos, ligue para (53) 2128-8596 e fale com a enfermeira Viviani A. Mendonça.

Composição da Equipe:

Dr. Luciano de Oliveira Teixeira (Coordenador) Enfermeira Viviani Mendonça
Enfermeira Micheline Braga Enfermeiro Cristiano Martins da Rosa
Pedagoga Nívia Ferreira Gestor Administrativo Brenno Eduardo Victória

Perguntas Frequentes:

O que é transplante?

É um procedimento cirúrgico que consiste na reposição de um órgão (coração, pulmão, rim, pâncreas, fígado) ou tecido (medula óssea, ossos, córneas...) de uma pessoa doente (RECPTOR) por outro órgão ou tecido normal de um DOADOR, vivo ou morto. O transplante é um tratamento que pode salvar e/ou melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas.

Quem pode ser doador?

Doador vivo- Qualquer pessoa saudável que concorde com a doação. O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea e parte do pulmão. Pela lei, parentes até quarto grau e conjugues podem ser doadores; não parentes, somente com autorização judicial. Doador cadáver- São pacientes em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) com morte encefálica, geralmente vítimas de traumatismo craniano ou AVC (derrame cerebral). A retirada dos órgãos é realizada em centro cirúrgico como qualquer outra cirurgia.

O que é morte encefálica?

Morte encefálica é a parada definitiva e irreversível do encéfalo (cérebro e tronco cerebral), provocando em poucos minutos a falência de todo o organismo. È a morte propriamente dita. No diagnóstico de morte encefálica, primeiro são feitos testes neurológicos clínicos, os quais são repetidos seis horas após. Depois dessas avaliações, é realizado um exame complementar (Eletroencefalograma, Cintilografia ou uma Arteriografia).

Quem é beneficiado com doações de órgãos?

Pessoas que necessitem substituir um órgão ou tecido e que já estejam na lista de transplante. Esse procedimento pode salvar e/ou melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas.

Uma pessoa em coma também pode ser doadora?

Coma é um estado reversível, portanto não pode ser doador. Morte encefálica, como o próprio nome sugere, não é reversível. Uma pessoa somente torna-se potencial doador após o correto diagnostico de morte encefálica e da autorização dos familiares para a retirada dos órgãos.

Quem recebe os órgãos doados?

Testes laboratoriais confirmam a compatibilidade entre doador e receptores. Também é levado em consideração o peso e altura do doador/receptor, além dos critérios como tempo de espera e urgência do procedimento.

Quem pode e quem não pode ser doador?

A doação pressupõe critérios mínimos de seleção. Idade, o diagnostico que levou à morte clínica e tipo sanguíneo são itens estudados do provável doador para saber se há receptor compatível. Não existe restrição absoluta a doação de órgãos a não ser para sorologias positivas e doenças infecciosas ativas.

Podemos escolher o receptor?

Nem o doador, nem a família podem escolher o receptor. Esse será sempre indicado pela Central de Transplantes. A não ser no caso de doador vivo.

Como funciona a lista de espera para um transplante?

O sistema Nacional de Transplantes é responsável pelo gerenciamento e fiscalização das atividades de captação e distribuição de órgãos e tecidos para transplante no país. Existe uma lista única e a distribuição dos órgãos captados segue uma série de critérios específicos para cada tipo de órgão ou distribuição dos órgãos captados segue uma série de critérios específicos para cada tipo de órgão ou tecido.

Posso deixar por escrito que sou um doador?

A atual legislação prevê que é a família quem assina /decide pela doação, assim o mais importante é avisar a família da intenção de ser doador, pois mesmo que existia um documento indicando a intenção de doar a família não será contestada em caso de negativa. Avisar a sua família é a forma mais segura de garantir que seu desejo seja respeitado.

Você sabia?

• A cada dia pelo menos 10 pessoas, adultos e crianças, entram nessa longa e interminável fila.
• Cerca de 30% das pessoas que esperam por um transplante de fígado, pulmão, coração morre antes de conseguir um doador.
• Se todos fossem doadores, não existiria fila para receptores de córneas.